Foram 23 anos afastado da produção cinematográfica. Quando retornou, em 2013, com o comovente “A Dança da Realidade”, Alejandro Jodorowsky mostrou mais uma vez sua sensibilidade criativa. Recentemente em 2016, ele concretizou a segunda e derradeira parte da obra autobiográfica iniciada naquele ano. “Poesía Sin Fin”, lançado no festival de Cannes, fecha o ciclo. “Daqui dois dias faço 86 anos… é muita coisa. Porque, aos 86, eu estou lutando para fazer mais um filme? Porque nada é mais importante para mim. Mas por que alguém que pode morrer um dia ou outro quer tanto fazer um filme? Porque quando se tem 86 anos, você acorda todas as manhãs e diz ‘eu ainda estou vivo’”, declarou em seu vídeo de campanha para arrecadação de fundos no Kickstarter.

Ele já fez muita coisa para as telas, mas é sempre lembrado especialmente pelos longas “El Topo” (1970), clássico western psicotrópico, fenômeno dos “corujões”, e “A Montanha Sagrada” (1973), uma surrealista abordagem do esoterismo ocidental. Chileno filho de imigrantes judeus ucranianos, hoje morando na França, Alejandro sempre foi muito produtivo artisticamente, assim como engajado no estudo da consciência humana. Além de cineasta, ele é um estudioso em religião comparada, dramaturgo, compositor, ator, mímico, roteirista de quadrinhos, escritor, leitor e historiador de tarô e psicoterapeuta – a partir da soma de seus conhecimentos em tarô com a sua experiência teatral e influenciado pela psicanálise e o xamanismo, ele criou a chamada psicomagia.

Leia também: “Duna”, 50 anos

Quase foi dele a adaptação da ficção científica épica “Duna”, de Frank Herbert, que terminou nas mãos de David Lynch e foi lançada em 1984. A história do colapso desta produção grandiloquente que contaria com a participação de Salvador Dalí, Orson Welles, Pink Floyd e Moebius está contada no documentário “Jodorowsky’s Dune”. O material criado em parceria com o ilustrador Moebius, no entanto, foi a sua porta de entrada nos quadrinhos, com a série “O Incal”.

Mas nem todas essas histórias e a paixão dedicada a cada uma delas foram capazes de dissuadi-lo da necessidade de contar a sua história, costurada por lúcidas reflexões, num filme, para sentir a alma apaziguada. Outros filmes podem vir. “Poesía Sin Fin” veio só passar a chave do legado cumprido nesta encarnação. Para o público, que busca sabedoria em suas mensagens em qualquer que seja a plataforma, resta a esperança de poder contar com o quanto possível, pelo máximo de tempo que o “todo” permitir, de sua força poética.

Em seu primeiro respiro desde abril, quando finalizou os cortes definitivos de “Poesía Sin Fin”, Alejandro Jodorowsky dedicou alguns minutos de conversa ao Risca Faca.

Risca Faca: Agora que “Poesía Sin Fin” foi concluído e selecionado para o Festival de Cannes deste ano, você se considera um cineasta plenamente realizado? Digo, restam ambições artísticas para concretizar?

Alejandro Jodorowsky: Um artista é um artista até o momento de sua morte. Não faço cinema para ser aplaudido em festivais, nem para ser célebre, nem para ganhar montes de dinheiro. Faço cinema porque é uma arte essencial para mim, faz parte de meu ser autêntico, o amo com intensa paixão. Minha única ambição é conseguir filmar mais coisas até quando conseguir, mesmo numa cadeira de rodas.

No senso comum você geralmente é citado como um autor ou diretor cult. Você acredita que essa definição é prestigiosa ou reducionista? Quem é você?

Ao longo de toda a minha vida tenho lutado para ser espiritualmente livre. No âmago de mim mesmo, não tenho idade, não tenho nacionalidade, não tenho nome, não tenho rótulos que me definem. Se me pergunta quem sou, respondo: “Sou você”.

Olhando em retrospecto para o seu legado, você é capaz de perceber os diferentes estágios de sua produção criativa e associá-los à sua evolução pessoal?

Nasci com um corpo que foi se desenvolvendo até chegar na velhice, contendo uma alma que nunca mudou. Minha alma não tem fases; é o que é, independentemente de seu estágio evolutivo ou da decadência final de meu corpo. Não creio na arte com meu ego (a personalidade artificial criada pela família, a sociedade e a cultura), crio na arte com minha alma. Cada película que já realizei não foi um produto articulado para agradar o máximo de clientes, e, sim, a expressão de meu ser real, tão real como meu coração, meu fígado ou meus testículos. Um artista não evolui, e, sim, avança despojando-se dos limites que lhe são impostos pela decadente realidade.

Sobre a experiência que você teve com a campanha de financiamento coletivo para a realização de “Poesía Sin Fin”: que lições você aprendeu com o tipo de relação empreendido com seus apoiadores e detratores?


Eu confio no valor da raça humana. Não creio que os jovens são idiotas consumidores de merda industrial. Creio que há uma multidão de jovens entediados com a futilidade de Hollywood, esperando pacientemente pelo advento de uma arte que lhes proporcione uma visão sana do mundo, que lhes revele seus valores essenciais, que lhes mostre o amor pela vida. Confiando nisto, recorri à mendicância sagrada. Os 10 mil colaboradores do crowdfunding me deram razão.


Muitas pessoas o consideram um mestre. Mas quem são os seus mestres?

Como não me considero um Maestro, não existem Maestros do Maestro. Creio que um ser chega ao seu máximo desenvolvimento espiritual quando aprende a admirar os valores dos outros. Admiro uma infinidade de artistas, de campeões, de heróis, de gênios e de santos.

Enquanto muitos artistas geralmente decaem após um pico criativo durante certo período, você continua fazendo coisas inovadoras, como fez em cada fase anterior de sua vida. A razão disso é por que você sempre tem algo a dizer, então fica mais natural colocar a alma em suas expressões?

No século 20 você usava um aparelho que servia para só uma coisa, que se chamava telefone. Agora, no século 21, usa um aparelho móvel, que não serve apenas para conversar com seus semelhantes, mas também escutar música, assistir filmes, programas, jogar etc… Este é o segredo do múltiplo. Antes se respeitava aqueles que faziam uma só coisa, era artista, engenheiro, médico, comerciante etc… Agora o ser humano está aprendendo a ser múltiplo, não se encerrar num só ofício, ou uma só classe de expressão… Cocteau, Pasolini, Leonardo da Vinci, Gurdjieff e muitos outros mais, entre eles eu, não temos o complexo de ser uma coisa só. Livres dos rótulos praticamos aquilo que nos dá vontade.

Com todos os ataques terroristas recentes pelo mundo, você acredita que a humanidade será capaz de alcançar a consciência antes do fim da Terra?

A Terra é o planeta onde vive a humanidade. É natural que devoremos este planeta. Logo emigraremos a outro planeta que chamaremos de Terra. E isso não tem fim. O dever dos humanos que libertam sua consciência é despertar nos medíocres o desejo de libertarem as suas consciências. Se você, eu e outros seres com cérebro livre nos dedicarmos a libertar as multidões, ao invés de convertê-las em consumidores infantilóides, poderemos viver em um mundo movido por energias saudáveis, sem fronteiras, porém respeitando as diferenças, todos distintos e não competitivos, trabalhando por um objetivo em comum, o desenvolvimento feliz de um quarto cérebro com faculdades parapsicológicas.

Considerando que os continentes andam doentes, com toda a violência, guerras e mazelas políticas, que tipo de psicomagia social seria capaz de curar uma ferida tão profunda?


O problema atual é imenso, começa lá na pré-história: fazem muito poucos anos, não mais que 200 mil, quando éramos parecidos com os macacos. Somos animais em desenvolvimento genético. Por meio de guerras cada vez mais mortíferas, estamos aprendendo a desenvolver as capacidades dos milhões de neurônios que temos em nosso cérebro. Haverá uma mutação na raça humana. Os insetos, diante de suas dificuldades vitais, se defendem mudando. Por que nós não seríamos capazes de mudar, como fazem todos os demais seres viventes? Mudaremos! Aqueles que já demos um passo mais adiante, na impossibilidade de mudar o mundo, devemos começar a mudarmos a nós mesmos, para ir comunicando uma visão sana da realidade a todos os que nos rodeiam.

O que é a vida?

É isso. A vida passada já passou. A vida futura aqui não existe. Existe só o agora, o presente, um todo que está sempre em mutação.